Carros elétricos responderão ​​por mais da metade das vendas de veículos leves em 2026, diz BCG

No Brasil, estimativa aponta para uma evolução mais gradual, com penetração abaixo de 10% em 2030 para os carros novos elétricos ou híbridos

 

Os carros elétricos estão chegando a uma velocidade surpreendente em alguns mercados no mundo, como é o caso de China, Estados Unidos e União Europeia. Segundo projeção do Boston Consulting Group (BCG), até 2026, os veículos elétricos serão responsáveis ​​por mais da metade dos automóveis leves vendidos globalmente. Isso é quatro anos mais cedo do que as projeções anteriores da consultoria estimavam. Além disso, o estudo prevê que os veículos de emissão zero (ZEVs) serão responsáveis ​​por quase metade dos veículos leves novos vendidos globalmente em 2035. E alguns dados já antecipam essa realidade.

As vendas no mercado global de carros e SUVs eletrificados, incluindo os veículos híbridos, por exemplo, saltaram de 8% em 2019 para 12% em 2020. Na União Européia, a participação de mercado de híbridos plug-in (PHEVs) e veículos elétricos a bateria (BEVs) aumentou 9,3 pontos percentuais em 2020, em comparação com 2,2 pontos percentuais nos EUA e 5 p.p. na China. Na Alemanha, as vendas de PHEVs aumentaram 342% em 2020 e as de BEVs, em 207%.

As vendas de veículos leves movidos a gasolina caíram 36% e a diesel, 29%.

No entanto, no Brasil a situação é menos clara, e apesar do rápido crescimento nas vendas nos últimos dois anos, veículos eletrificados ainda são um nicho pequeno, respondendo por menos de 1% do mercado em 2020. Por um lado, a evolução tecnológica e redução de custos de baterias, combinada com a migração das plataformas globais das montadoras e crescente pressão dos consumidores por alternativas mais limpas, pode favorecer uma convergência global. Por outro, o contexto regulatório e de incentivos, o custo total ainda elevado se comparado aos veículos a combustão e a existência de uma alternativa sustentável através do etanol podem retardar a transição ou ainda criar novas rotas tecnológicas para redução de emissão de CO2. O estudo estima que em 2030 menos de 10% dos carros novos vendidos no Brasil serão totalmente elétricos ou híbridos – dependente em grande parte das ações tomadas pelo governo e indústria.

No contexto brasileiro, além do cenário de eletrificação e rota tecnológica em si, uma série de outras questões ligadas a estratégias de produto e produção, relação com o consumidor e mobilidade, de forma mais ampla, começam a emergir, gerando desafios e oportunidades para os participantes do mercado. Por exemplo: qual modelo de negócios é mais adequado a um veículo elétrico; produzir localmente ou importar; quem será o responsável por prover a infraestrutura de carregamento; entre outras.

 

Fonte: administradores.com.br

Translate »
WhatsApp chat