Onde estão os motoristas? Montadoras cortam produção no mundo

(Li Hanchi/VCG via Getty Images)

Toyota e outras montadoras japonesas cortaram suas previsões de venda e produção

Reino Unido teve queda drástica na produção de veículos

Europa viu queda de 18% na venda de carros em agosto

As montadoras globais estão reduzindo as previsões de produção, o que custará ao mundo centenas de milhares de carros nos próximos meses. No entanto, quaisquer preocupações com esse resultado desmentem os problemas subjacentes de uma indústria prejudicada pela desaceleração das vendas e pela superação da produção antes da pandemia. Na realidade, os últimos cortes só ajudarão um tão necessário (mesmo que doloroso) reequilíbrio do setor.

Os cortes vieram duros e rápidos: a maior montadora do mundo, a Toyota revisou este mês para baixo sua previsão de produção para o ano. Outros fabricantes japoneses, como Nissan e Honda, fizeram o mesmo, elevando o número combinado para mais de 1 milhão de carros. No Reino Unido, a produção caiu drasticamente em julho, marcando o pior desempenho naquele mês desde 1956, enquanto 1,5 milhão de unidades poderiam reduzir a produção de todo o ano na América do Norte. Em agosto, as vendas de carros novos na Europa caíram 18% em relação ao ano anterior, após uma queda de 23% no mês anterior.

A perspectiva de menos carros saindo das linhas de produção pode ser preocupante. No entanto, era o que deveria acontecer, mesmo antes do choque da pandemia. Nesse contexto, ter menos veículos não é necessariamente algo ruim – e, talvez, deva ser considerado o novo normal.

Dê uma olhada no que estava acontecendo antes da Covid-19. O mercado foi inundado com veículos – os compradores foram atraídos para showrooms com incentivos, cortes de preços e recursos tecnológicos. As montadoras enfrentavam rígidas regulamentações de emissões, a ameaça da tecnologia e os atritos comerciais que aumentavam o custo dos carros.

No início de 2020, Volkmar Denner, CEO da Robert Bosch GmbH, um dos maiores fornecedores mundiais de peças automotivas, disse: “Pode muito bem ser que ultrapassamos o pico da produção automotiva”, quando sua empresa anunciou cortes de empregos e uma queda no lucro. Esperava-se que a produção global de automóveis caísse pelo terceiro ano consecutivo, já que a demanda caiu e permaneceu estável em 2020.

Ao mesmo tempo, os lucros das montadoras mal cresciam, as margens diminuíam e controlar os custos era o maior desafio. Ainda assim, a produção continuou a funcionar porque as empresas não viam outra saída do atoleiro. O medo do que viria da decadência da indústria automotiva global era tão intenso que até o Fundo Monetário Internacional soou o alarme. Em seu relatório World Economic Outlook em outubro de 2019, a organização observou que o setor é responsável por 5,7% da produção econômica global e cerca de 8% das exportações globais de bens.

Os cortes massivos de produção podem agora pintar um quadro nítido do que pode estar por vir para a economia global. Mas isso só se as empresas continuarem fazendo o que sempre fizeram. O surto de coronavírus – e as paralisações e escassez da cadeia de suprimentos – agora forçou os fabricantes de automóveis a fazer o que antes não estavam dispostos a fazer. É uma coisa boa. Com todas as últimas metas de ar limpo, quem realmente precisa de tantos carros, afinal? Especialmente porque estão ficando cada vez mais caros.

Fonte: Yahoo Finanças

Translate »
WhatsApp chat