Mudança de hábitos

jovem-no-volante-300x199

Estudos recentes realizados pelos engenheiros da Ford mostram que o estilo de direção pode influenciar em até 25% o consumo e o nível de emissões de um veículo. Por isso, talvez mudar a forma como você conduz o carro possa ser a garantia de economia de dinheiro e de tempo ao ter que parar menos no posto de gasolina.

De acordo com os especialistas, dirigir suavemente é o primeiro passo para uma direção eficiente e mais econômica. Isso inclui acelerar mais devagar, frear mais cedo e evitar ficar mudando de faixa toda hora. Correr pode ser necessário, mas andar com o acelerador 100% pressionado é fatal, gasta mais combustível. “Dirigir a 90 km/h em vez de 100 km/h pode reduzir em torno de 10% o consumo”, orienta a Ford.

Aquecer o motor antes de partir é uma bobagem que muita gente ainda faz e gasta combustível à toa. Os motores atuais não precisam de aquecimento. Ligue o carro e parta imediatamente, de forma suave. Outro inimigo da direção econômica é o peso do carro. Quanto menos carga no porta-malas e na cabine, menor o gasto de energia na aceleração. Por isso, tente rodar o mais leve possível sempre, claro, mas sem retirar itens básicos do carro como macaco, triângulo e estepe.

Transportar bagagem ou bike no teto também pode fazer o carro “beber” mais. Os objetos aumentam a resistência ao vento. Se você viaja muito, tente levar os itens extras dentro do carro ou presos à parte traseira.

Ar-condicionado
O consumo de combustível aumenta até 15% com o ar-condicionado ligado em baixas velocidades. Se não estiver muito quente, prefira a ventilação natural. Acima de 90 km/h, é melhor fechar os vidros e usar o ar.

Não menos importante é rodar com pneus sempre calibrados. Pressão inferior ou superior ao recomendado interfere e muito no consumo de combustível. O ideal é conferir a pressão do pneus pelo menos a cada 15 dias.

Conforme o estudo da Ford, o ajuste correto do motor também pode representar uma economia média de 4% no consumo. O sensor de oxigênio merece atenção especial: se estiver com defeito, sua troca pode aumentar a autonomia do carro em até 40%.

Lubrificante
Óleo do motor certo. Ainda na parte mecânica, é essencial estar atento à lubrificação do motor. Nunca se deve usar um tipo de óleo que não seja o recomendado pelo manual do carro. Rodar com óleo velho ou de outra especificação faz o carro ser ao menos 2% mais “beberrão”, dizem os especialistas.

Por Igor Veiga, do Jornal O Tempo.

Translate »
WhatsApp chat