Produção de veículos em julho cresce 73% sobre junho, mas despenca 36,5% em relação a julho de 2019

A economia brasileira continua sofrendo os efeitos da pandemia do coronavírus. O setor automotivo, um dos mais impactados no país, começa a reagir. A produção e as vendas de veículos começaram a crescer. Com a base baixa dos últimos meses, os números avançam, mas ainda estão distantes em relação a 2019. O resultado acumulado do ano poderá fechar com a queda entre 30% a 40%, dependendo do comportamento dos últimos meses.

A produção de 170,3 mil automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus em julho cresceu 73% em junho, mas despencou 36,5% na comparação com julho de 2019. Os dados divulgados pela Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores) mostraram queda de 48,3% no resultado acumulado do ano, com 899,6 mil veículos, ante 1,74 milhão do mesmo período do ano anterior.

O resultado negativo no ano decorre da paralisação das fábricas, algumas delas por mais de 120 dias, por causa da pandemia do coronavírus.

O presidente da Anfavea, Luiz Carlos Moraes, destaca que no acumulado do ano a queda na produção foi significativa, na comparação com 2019, pela paralisação das montadoras em março e abril e o retorno gradativo em maio, junho e julho.

O retorno do ritmo das linhas de montagem foi lento para atender os protocolos de saúde. Muitas montadoras voltaram com apenas um turno, e mesmo as que retornaram nos dois turnos estão com a capacidade reduzida.

— Além de um número maior de dias úteis, julho foi um mês no qual as montadoras e concessionárias fizeram um grande esforço para recompor o caixa prejudicado pela longa quarentena. Mas o ritmo de vendas diário foi apenas 20% superior ao de junho, o que demanda cautela na análise de como será a recuperação no segundo semestre — disse Moraes.

”Foram as piores vendas desde julho de 2006, mas foram o melhor resultado no período da pandemia”.

LUIZ CARLOS MORAES

Presidente da Anfavea

O executivo lembra que “ainda temos uma pandemia que não deu trégua, com casos crescentes de covid-19 em Estados importantes do país. É como se estivéssemos numa estrada sinuosa e com forte neblina, com grande dificuldade de enxergar o horizonte com clareza”.

A venda de 174,5 mil veículos em julho aumentou 31,4% na comparação com junho e caiu 28,4% em relação ao mesmo mês de 2019.

O resultado acumulado do ano, de 1.551,8 mil unidades, despencou 36,6% sobre os primeiros sete meses de 2019.

Vendas externas

A exportação de 29,1 mil veículos em julho cresceu 49,7% na comparação com junho e caiu 30,8% sobre julho de 2019. De janeiro a julho, foram embarcados 149,7 mil veículos, 43,7% a menos em relação ao mesmo período de 2019. O comportamento de julho foi atípico, provocado pela paralisação das montadoras e a retomada dos embarques no mês passado. Como o Brasil, os principais países importadores de veículos enfrentam o mesmo problema com a crise provocada pela pandemia do coronavírus.

Fonte: https://gauchazh.clicrbs.com.br/comportamento/carros/sobre-rodas/noticia/2020/08/producao-de-veiculos-em-julho-cresce-73-sobre-junho-mas-despenca-365-em-relacao-a-julho-de-2019-ckdowqrwq006r013go2w6lcf0.html

Translate »
WhatsApp chat